Posts Tagged ‘Christian Bale’

h1

O SOBREVIVENTE

sexta-feira, 19 setembro, 2008

Uma fuga impossível, um espírito indomável. Esta é a história de Dieter Dengler, um piloto alemão radicado nos EUA que combateu pelos americanos na Guerra do Vietnã. A história verídica de Dieter, que fora abatido em uma missão de reconhecimento no Laos às vésperas da Guerra do Vietnã, foi preso por tropas vietcongues, torturado e passou meses bolando uma maneira de fugir do acampamento, inspirou o diretor Werner Herzog no documentário “Little Dieter Needs To Fly de 1997” e agora o longa “O Sobrevivente” (Rescue Dawn) do mesmo diretor.

Para o papel do simpático e astuto Dieter, foi escalado uma das grandes estrelas de Hollywood da atualidade, ninguém menos que o Batman, Christian Bale, irreconhecivelmente magro. Nesta produção de apenas 10 milhões de dólares, no qual contracena com poucos atores, Bale dá mais um show e repete as atuações cheias de energia e expressão de Psicopata Americano e O Grande Truque, seu jeitão frio é substituído por um personagem simples que cativa os demais e não desiste jamais.

A história de Dieter que “queria apenas voar” inspirou gerações de americanos, por ser o único registro histórico de fuga de um cativeiro de Guerra, e mais do que isso de uma selva impenetrável, cercada por inimigos por todos os lados.

O bom filme peca apenas em alguns momentos de transição da história com cortes secos e algumas cenas perdidas. Os personagens trazem toda a angústia e insanidade dos prisioneiros de Guerra e o clima solitário, os sons da selva e a precariedade das instalações completam o cenário fiel de mais uma história de Guerra, mas contada por um ângulo poucas vezes visto. Vale a pena assistir.

Anúncios
h1

3:10 TO YUMA

segunda-feira, 4 agosto, 2008

Em “Os Indomáveis”, refilmagem do western “Galante e Sanguinário” de 1957, Russel Crowe (Gladiador) interpreta o fora da lei Ben Wade, líder de uma gangue responsável por diversos assaltos no Arizona. Seu destino se cruza com o do fazendeiro Dan Evans, interpretado pro Christian Bale (Batman – O Cavaleiro Das Trevas), um homem falido que mal tem como pagar suas contas. Dan acaba acidentalmente ajudando a prender o famoso fora da lei e para ganhar um dinheiro que salvaria seu rancho e sua fazenda, resolve ajudar os homens da lei da cidade de Bisbee a levar o criminoso a outra cidade a fim de pegar o trem para o presidio de Yuma, precisamente as 15:10. O problema é que o bandod e Wade fará de tudo para liberar o seu líder.

Os dilemas do filme vão além do Bang-Bang. As cenas de ação são supreendentes e bem feitas, mas o que atiça é o dilema moral dos personagens, as questões do mocinho e do bandido que muitas vezes se cruzam. Crowe dá vida a um ser astuto, ousado e charmoso que é perigoso mesmo quando algemado. Já Bale, ao contrário de outros papéis é um fazendeiro envergonhado e submisso que precisa se provar.

O filme recria um gênero esquecido a algum tempo, o último bom faroeste conhecido é “Os Imperdoáveis” dop começo da década de 90. A narrativa é intensa e as atuações de Bale e Crowe são sensacionais, colocando os personagens em uma encruzilhada que prende a atenção e deixa quem assiste sem fôlego. As reviravoltas do enredo são precisas e não permite que se consiga prever o desfecho. A Trilha Sonora, indicada ao Oscar em 2008, também é um show a parte, mantém o ritmo do filme e acompanha cada segundo da aventura do fazendeiro que precisa salvar sua família e do bandido que precisa salvar sua pele.

h1

BATMAN – THE DARK KNIGHT

quarta-feira, 23 julho, 2008

“Ou se morre como herói, ou se vive o suficiente para virar vilão”. Esta frase dá a tônica do novo “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. O filme trabalha a dualidade do caráter humano. Mais do que a aventura de mais um super-herói mascarado, o enredo trata das nuances e loucuras do comportamento humano

A história, continuação de “Batman Begins” de 2005, traz como grande vilão o Coringa, interpretado com primazia por Heath Ledger. A construção do personagem ficou tão perfeita, com detalhes tão bem reproduzidos como tiques e manias, que acaba roubando a cena. Assim, o filme gira em torno do anti-herói e a participação do próprio Batman acaba compondo o palco por onde o palhaço assassino desfila. A interpretação de Ledger, instiga e perturba, seu Coringa vai além de um palhaço ou um maluco, é alguém que vê o caos e a anarquia como única saída, transpondo isso para sua personalidade insana e refletindo em seus atos metodicamente descontrolados

Christian Bale novamente dá vida ao herói e entrega o esperado dele e do personagem, parece que a parceria com Christopher Nolan (diretor) ainda deve render mais algumas seqüências, que infelizmente não contarão com o Coringa digno de prêmios (e eles virão) de Ledger. Além deles, completam o elenco Michael Caine, como o mordomo Alfred; Morgan Freeman, como Lucius Fox, guru tecnológuico e testa-de-ferro das corporações Wayne; Maggie Gyllenhall como a paixão de Bruce Wayne, Rachel; Gary Oldman como o comissário Gordon; e Aaron Eckhart como o promotor público Harvey Dent, que durante o filme se torna o vilão Duas Caras

A história com quase duas horas e meia de duração prende a atenção, desperta reflexão e traz a ação alucinante pertinente a filmes de herói. No enredo, os chefões da Máfia de Gotham estão sendo expremidos pelo promotor Dent e pela ação do Batman, assim, recorrem a um novo vilão com ar de maluco e confiam a ele a missão de eliminar o Homem-Morcego: o Coringa. No entanto, ninguém sabe quais as reais intenções do Coringa, se é que elas existem, ou se existe algum racional por trás delas. Além disso, existem as sempre aguardadas tecnologias do Batman, um triangulo amoroso entre Dent, Wayne e Rachel, além de toda a escória incrustrada na estrutura da cidade de Gotham.

O novo batman é de longe o melhor filme de super-heróis já produzido, bateu todos os recordes de bilheteria existentes e satisfaz a multidão de fãs do cavaleiro das trevas. Agora resta saber como a franquia reagirá, esperamos que consiga alcançar o êxito de outros como X-Men e continuar produzindo filmes que agradam aos fãs de HQs e a todos os fãs de thrillers de ação.

h1

BATMAN – ENTREVISTA UOL CINEMA

sexta-feira, 18 julho, 2008

Pessoal, esse fim de semana estréia o novo Batman – O Cavaleiro Das Trevas… A muito tempo não vi tamanha euforia envolta de um lançamento, graças a atuação de Christian Bale em “Batman Begins” e a expectativa de ver o último papel de Heath Ledger como o Coringa… Para aquecer os motores, segue abaixo os melhores trechos de uma entrevista do UOL CINEMA com o ator Aron Eckhart (Obrigado Por Fumar) que interpreta Harvey Dent, que se tornará o vilão Duas Caras:

Aaron como Duas Caras

Como o papel do promotor Harvey Dent chegou às suas mãos?
Encontrei com Chris (o Nolan, não o Bale, adoro brincar de confundi-los) [risos], tomamos um chá e ele me pediu para ler o script. Só depois me designou o Harvey e eu aceitei. Fiquei bastante lisonjeado de fazer parte do filme, que tem um roteiro impressionante, cheio de nuances. A presença de Nolan, a oportunidade de trabalhar com aquele elenco grandioso, ao lado de Heath Ledger, Bale, Michael Caine, Gary Oldman e Morgan Freeman me cativaram.

O Coringa do Heath Ledger, em seu último trabalho, tem atraído todas as atenções e especula-se a respeito de um futuro Oscar por sua interpretação. Como foi contracenar com ele e o que você pensa da possibilidade do prêmio póstumo?
É um prazer estar perto dele, vendo sua construção tão dedicada num processo de devoção mesmo. Ele se entregou completamente e era admirável poder acompanhar sua vontade de fazer algo tão intensamente. O Oscar é a consagração por conseguir fazer algo incomum, extraordinário e acho que seria merecido se ele ganhasse, por um Coringa memorável que ninguém fez antes. O efeito causado pelo personagem é surpreendente graças a ele. O Oscar viria como uma premiação justa não apenas uma homenagem por que ele morreu.

Já que estamos falando em especulações, há planos de alguma seqüência? É possível dizer que um dia o veremos na pele (literalmente) do Duas-caras novamente?
Não recebi nenhum indicativo a respeito, me parece que não. Acho difícil que ocorra, e é provável que o próximo filme, se houver, seja feito com outras pessoas e surjam outros papéis.

Antes de viver Duas-caras, você era fã dos quadrinhos ou já conhecia a graphic- novel “O Cavaleiro das Trevas”?
Na verdade, não. Nunca fui um tipo que compra HQs nas bancas, acompanha e lê como um especialista – isso até me deixou um pouco tenso para aceitar o papel. Mas para mim e para todo mundo os quadrinhos fazem parte da vida, com outras referências. Sempre assisti aos filmes de Batman e Homem-Aranha ou Super-Homem, assim como séries como a do Hulk. Então, não é um universo completamente estranho.

Para ver a entrevista na íntegra, clique aqui: http://cinema.uol.com.br/ultnot/2008/07/17/ult4332u820.jhtm

h1

EXPECTATIVA 2008

sábado, 10 maio, 2008

Já estão em produção três dos filmes que mais prometem para 2008. O primeiro deles é o ainda não nomeado em português “Burn After Reading”, a mais nova criação dos irmãos Coen, atuis ganhadores do Oscar de melhor direção. O elenco também já demonstra que a produção promete: George Clooney, Brad Pitt e John Malcovich. Como ainda não existe um release do filme, ficamos na supresa até sobre qual o roteiro.

 

Outra produção, da linha dos grandes revivals dos anos 90 (seguindo Rocky, Rambo e Indiana Jones) é o “Exterminador do Futuro IV”, só que dessa vez o John Connor será interpretado por Christian Bale, ator que sou suspeito para falar depois das suas interpretações em “O Grande Truque”, “Batman Begins” e principalmente no ótimo “O Sobrevivente”. Vamos aguardar como será o filme do Exterminador sem o governador Schwazernegger.

No entanto, o filme mais esperado será “W” do diretor Oliver Stone. O filme fala deninguém menos do que George W. Bush e tem previsão de estréia próxima às eleições presidenciais americanas, polêmico, bem ao estilo Stone que já dirigiu clássicos como “Nascido em 4 de Julho”, “JFK – A pergunta que não quer calar”, “Nixon” e a obra-prima Platoon, vencedro do Oscar de 1986. O filme contará com Josh Broolin (Onde Os Fracos Não Têm Vez) como o presidente e Thandie Newton (Crash – No Limite) como Condoleza Rice. Stone é sempre genial em filmes com temas políticos e bélicos, no entanto ousa dessa vez lançar um filme sobre um presidente ainda com sue mandato em exercício. Essa ousadia lhe custou o apoio dos grandes estúdios, o filme será lançado independetemente, mas não existem dúvidas de que o sucesso é garantido.

Josh Broolin como George W. Bush